A Toyota Caetano Portugal anunciou que vai chamar às oficinas mais 29.000 veículos por questões de segurança devido à deteção de defeitos nos airbags da Takata, informou esta seta-feira uma fonte oficial da marca.

A Toyota e a Nissan, dois dos maiores fabricantes automóveis japoneses, informaram na quinta-feira que vão recolher mais de três milhões de veículos em todo o mundo devido a receios com a segurança motivados por defeitos nos airbags da Takata.

Contactada pela agência Lusa, uma fonte oficial da Toyota Caetano Portugal explicou que este problema já havia sido detetado em maio, altura em que a empresa começou a chamar aos concessionários os proprietários dos veículos.

“No seguimento da expansão de viaturas envolvidas da Campanha de Serviço iniciada e 13 de maio, a Toyota Caetano Portugal informa que vai abranger mais 29.304 unidades”, referiu a mesma fonte.


Na primeira fase da campanha foram chamados às oficinas 16.000 automóveis.

A Toyota Caetano Portugal informou que até ao momento não recebeu quaisquer queixas dos clientes relacionadas com problemas nos airbags, acrescentando tratar-se de uma medida de prevenção e segurança.

Também a Nissan anunciou em maio que iria chamar, em Portugal, 2.458 veículos para serem revistos.

A Toyota anunciou na quinta-feira a recolha de 2,86 milhões de veículos. Nos automóveis desta marca são visados 24 modelos produzidos entre abril de 2003 e dezembro de 2008, tocando em particular a Europa, num total de 1,73 milhões de viaturas recolhidas.

Já a Nissan referiu a retirada de 198.000 viaturas, enquanto a Mitsubishi afirmou que vai recolher 120.000 veículos equipados com airbags com defeito produzidos pelo também fornecedor japonês Takata.

A 22 de maio, três fabricantes de automóveis japoneses – a Mitsubishi, Mazda e a Fuji Heavy Industries –, anunciaram que iriam recolher cerca de 710.000 viaturas equipadas com 'airbags' com defeito produzidos pelo fornecedor automóvel Takata.

Os airbags podem rebentar, quando sobre eles se exerce uma força excessiva, projetando peças metálicas no habitáculo dos automóveis, referem num comunicado conjunto os fabricantes de automóveis nipónicos.

Os construtores automóveis detetaram este defeito de fabrico após a morte de seis pessoas que viajavam em veículos da Honda.

Cerca de uma dúzia de fabricantes de automóveis recolheram mais de 50 milhões de veículos no mundo desde 2008 por causa de problemas com os ‘airbags’ da Takata.

Os primeiros fabricantes que disseram que iam recolher veículos por causa de defeitos nos ‘airbags’ foram a Toyota e a Nissan, num total de 6,5 milhões de carros.