A Nissan é a segunda marca de automóveis a contestar o uso do seu logótipo em panfletos na campanha pelo Brexit. A fabricante japonesa de automóveis apresentou mesmo uma queixa em tribunal.

Tal como a congénere Toyota, a Nissan contesta o uso do seu logótipo, sem qualquer autorização, a favor da saída do Reino Unido da União Europeia, decisão que está em jogo no referendo que vai realizar-se esta quinta-feira, 23 de junho.

No panfleto em causa lê-se que “os grandes empregadores disseram que fica no país qualquer que seja o resultado do referendo”. E é nesse papel que aparecem os logótipos da Nissan e da Toyota.

A primeira marca de automóveis diz preferir que o Reino Unido permaneça na União Europeia e recorreu a tribunal para impedir que se façam “declarações falsas” relativamente ao que a marca defende, cita a Reuters, com base num comunicado da empresa.

“Vamos vigorosamente proteger a marca Nissan e a nossa propriedade intelectual em todos os mercados em que atuamos”

Toyota também pondera o mesmo

Já o diretor da Toyota no Reino Unido escreveu mesmo aos seus funcionários, que irão votar no referendo, alertando que deixar a UE iria implicar um imposto sobre os veículos até 10%, não tendo a empresa outro remédio que fazer cortes ou aumentar os preços. E isso, advertiu ainda, teria impacto negativo sobre as vendas. Não se ficou por aí:

“Se o Reino Unido deixar a UE, pensamos que é pouco provável que possa manter os acordos comerciais existentes sem qualquer taxa a pagar”.

Aos logótipos daquelas duas marcas automóveis, juntam-se ainda, no panfleto que gerou esta polémica os da Unilever (que também já veio publicamente repudiar o uso do seu nome associado à campanha do Brexit) e também da Honda, da Vauxhaull, da GE e da Airbus.