Ao câmbio, são 357 milhões de euros que Tim Cook, o CEO da gigante tecnológica norte-americana diz ter pago ao fisco irlandês, em 2014.

A resposta do homem forte da Apple, sucessor do falecido Steve Jobs, à multa aplicada pela União Europeia, surge numa entrevista ao jornal irlandês Irish Independent.

Bruxelas quer que a empresa pague 13 mil milhões de euros de impostos à Irlanda, por considerar que este país concedeu benefícios fiscais ilegais à Apple, o que para Tim Cook não passa de "um disparate político". E aproveitou a oportunidade para criticar o número indicado sobre os benefícios concedidos em 2014, depois de Bruxelas ter avançado com uma taxa de imposto de 0,005%.

Foram buscar um número não sei onde. Durante o ano em que a comissão diz que pagámos essa taxa de imposto, pagámos 400 milhões de dólares. Pensamos que devemos ser o maior contribuinte na Irlanda nesse ano", apontou Cook, na entrevista.

A decisão de Bruxelas de aplicar uma sanção à Apple, pelos benefícios considerados indevidos oferecidos pela Irlanda, fez tocar a rebate os restantes países da União Europeia. Portugal comunicou de imediato, através do Ministério das Finanças, estar a averiguar se a tecnológica norte-americana não terá também impostos a pagar ao Estado português.