O Tesouro norte-americano alertou hoje que um incumprimento dos Estados Unidos face ao pagamento das suas dívidas seria «inédito e potencialmente catastrófico», com um impacto mais grave do que a crise financeira de 2008.

«Os mercados de crédito poderiam ficar congelados, o dólar poderia afundar e as taxas de juro americanas iriam subir em flecha conduzindo a uma crise financeira e a uma recessão que fariam lembrar os tempos de 2008, ou ainda pior», lê-se num relatório do Tesouro, a duas semanas da data limite de 17 de outubro para o Congresso aumentar o teto da dívida sob pena de incumprimento dos EUA.

«Como vimos há dois anos, a incerteza prolongada sobre o facto de saber se o nosso país cumprirá a tempo, e na totalidade, os seus encargos financeiros, vai prejudicar a nossa economia», avisou o secretário do Tesouro num comunicado.

«Retardar o aumento do teto do endividamento até ao último minuto é precisamente aquilo de que a nossa economia não precisa», acrescentou.

O Congresso tem a prerrogativa de aumentar o teto do endividamento norte-americano, atualmente situado em 16.700 mil milhões de dólares (12.329 mil milhões de euros) e a maioria republicana na Câmara dos Representantes recusa fazê-lo arrastando a guerra com a administração Obama sobre o orçamento.

No verão de 2011, um bloqueio político sobre o teto do endividamento paralisou Washington e levou a agência de notação financeira Standard & Poor`s a privar aos EUA o seu prestigiado «rating» AAA, garantia máxima de solvabilidade para os mercados financeiros.