A Microsoft anunciou que vai despedir mais 2.850 em todo o mundo. Um número que se soma ao corte de 1.850 trabalhadores anunciados em maio na área de operações móveis da empresa.

O novo corte deve acontecer até ao final do próximo ano fiscal que termina em junho de 2017, referiu a gigante tecnológica em comunicado enviado ao regulador do mercado de capitais norte-americana, o Securities and Exchange Commission (SEC), citado pela Bloomberg.

A empresa, fundada pelo, hoje, multimilionário Bill Gates, justifica a decisão com a necessidade de melhorar a gestão dos recursos humanos. 

"Esta medida vai complementar e reforçar o corte de pessoal na unidade de telecomunicações móveis, anunciado em maio passado", salienta o comunicado.

A norte-americana Microsoft começou a investir mas afincadamente na área móvel quando, em 2013, comprou a divisão de telefones móveis à finlandesa Nokia anunciou nesta terça-feira por 5,44 mil de euros.

Na semana passada, a gigante tecnológica anunciou um resultado líquido positivo de 3,08 mil milhões de dólares (2,8 mil milhões de euros) no seu quarto trimestre fiscal, terminado a 30 de junho, contra prejuízos de 3,19 mil milhões (2,9 mil milhões de euros) no período homólogo de 2015.  O volume de negócios também foi superior ao esperado.