As taxas máximas aplicadas aos contratos a crédito vão descer no segundo trimestre do ano, segundo os dados foram revelados pelo Banco de Portugal. As taxas máximas agora divulgadas ponderam o impacto na TAEG das alterações às taxas de imposto do selo que incidem sobre o crédito aos consumidores.

A descida dos juros é ligeira e pontual e não deixa de lado o fato do Banco de Portugal ter revelado, nos últimos meses que está preocupado com o elevado endividamento das empresas e das famílias.

O documento da instituição diz que os cartões de crédito terão uma taxa de juro máxima de 15,9%, o que compara com os 16,4% atuais. O valor da taxa também cai no caso de alguns tipos de crédito automóvel. Já quem contrair crédito ao consumo, para as finalidades de Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos, vai pagar o mesmo. No que toca a Outros Créditos Pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades) a taxa baixa ligeiramente de 13,6% para 13,4%.

 

 

Tipo de contrato de crédito TAEG máximas
1.º Trimestre 2018 2.º Trimestre 2018
Crédito pessoal Finalidade Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos 5,6% 5,6%
Outros Créditos Pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades) 13,6% 13,4%
Crédito automóvel Locação Financeira ou ALD: novos 5,2% 5,0%
Locação Financeira ou ALD: usados 6,3% 6,1%
Com reserva de propriedade e outros: novos 9,7% 9,7%
Com reserva de propriedade e outros: usados 12,3% 12,2%
Cartões de crédito, Linhas de crédito, Contas correntes bancárias e Facilidades de descoberto 16,4% 15,9%