Os juros da dívida portuguesa estavam, esta sexta-feira a descer a dois anos para mínimos históricos, estáveis a cinco e a subir a dez anos em relação ao fecho de quinta-feira.



Às 08:30 desta sexta-feira, os juros a 10 anos estavam a 3,487%, depois de terem terminado a 3,482% na quinta-feira e de terem descido até aos 3,323% a 11 de junho, um mínimo desde outubro de 2005.

No prazo a cinco anos, os juros estavam estáveis a 2,251%, o mesmo valor de encerramento de quinta-feira e depois de terem descido até ao mínimo de sempre de 2,102% a 09 de junho.

A dois anos, os juros da dívida também estavam a descer para 0,876%, um mínimo histórico, depois de terem fechado a 0,885% na quinta-feira.

Portugal colocou na quarta-feira 1.500 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro (BT) a três e 12 meses, um montante acima do indicativo, a taxas de juro significativamente abaixo das pagas nos leilões anteriores comparáveis de maio.

O IGCP, agência que gere a dívida portuguesa, colocou 1.000 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro a 12 meses à taxa de juro média de 0,364%, abaixo da de 0,617% paga a 21 de maio, e 500 milhões de euros em BT à taxa de juro média de 0,18%, também abaixo da, de 0,432%, paga a 21 de maio.

A procura de BT a 12 meses foi de 1.320 milhões de euros, 1,32 vezes superior ao montante colocado, e a de BT a três meses cifrou-se em 819 milhões de euros, 1,64 vezes superior ao montante colocado.

A agência que gere a dívida portuguesa tinha anunciado um montante indicativo para as duas linhas de BT entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros.