Depois de três dias de quedas consecutivas, e de segunda-feira ter sido uma sessão de fortes perdasnas praças europeias, a abertura foi em alta, com a bolsa alemã a ser a que mais valoriza, à volta de 0,5%. Lisboa ainda abriu a subir 0,1%, mas rapidamente inverteu para perdas acima de 0,3%, seguindo isolada nas quedas.

Pela Europa, acalmaram os receios dos investidores quanto à provável subida das taxas de juro nos Estados Unidos, na próxima semana. Essa decisão poderá traduzir-se numa retirada de estímulos à economia, mas ontem um membro da Reserva Federal norte-americana veio dizer que estes não devem ser removidos à pressa por causa dos efeitos negativos no mercado de trabalho e dos riscos de desaceleração económica do exterior.

A cautela ainda impera. Embora haja sinal positivo nas bolsas, a recuperação é ainda muito ligeira. Madrid sobe 0,14%, Paris 0,11%. Milão e Londres estão na linha de água.

Em Lisboa, os destaques vão para a The Navigator Company, a antiga Portucel, que recua 3,5% para 2,74€, para a Galp, a descer mais uma vez 0,6% para 12,78€ e para o BCP, que perde 0,5%, ainda com cada título abaixo dos dois cêntimos.

Pela positiva, mas sem força para sustentar o índice, a subida de 3% da Corticeira Amorim para 8,40€ por ação.