As taxas de juro têm vindo a descer consecutivamente. Os bancos dão cada vez menos aos clientes pelos depósitos e janeiro foi um mês de mínimos históricos, segundo os dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal.

Nas novas operações de depósitos de particulares, a média situou-se em 0,49%, Já a taxa de juro média nos depósitos de empresas ficou nos 0,32%, também neste caso um valor mínimo alguma vez registado desde que o regulador e supervisor bancário faz a compilação desta informação.

A taxa média dos novos depósitos de particulares de janeiro deste ano, de 0,49%, já tem uma diferença significativa face ao registado no primeiro mês de 2015, de 1,24%, mas é ainda maior se andarmos mais alguns anos para trás.

Em janeiro de 2014, a taxa média era de 2,01%, em janeiro de 2013 de 2,57% e em 2012 de 3,87%. Já em 2010 e 2011, a taxa média das novas operações de depósitos rondava cerca de 2%, valor bem diferente do atualmente praticado.

Em janeiro, os bancos tinham um total de 167.554 milhões de euros em depósitos, menos 681 milhões de euros do que em dezembro, mas mais 5.230 milhões de euros face a janeiro do ano passado. 

Os particulares têm aumentado o valor depositado nos bancos, apesar da baixa remuneração oferecida, enquanto as empresas têm diminuído a poupança colocada nas instituições.

De recordar que os três maiores bancos privados que operam em Portugal - BCP, BPI e Santander Totta - tiveram lucros acumulados de 763 milhões de euros em 2015. Já o banco público, a Caixa Geral de Depósitos, continuou a apresentar prejuízos.