Na reunião desta quinta-feira, o Conselho do Banco Central Europeu decidiu deixar inalterada nos 0,25% a taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e nos 0,75% as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez.

Os analistas aguardam agora pela conferência de imprensa do presidente da instituição monetária, Mario Draghi, que começa às 13:30 (hora de Lisboa), na qual, segundo a France Presse, este poderá anunciar novas medidas para aumentar a liquidez em circulação, como a suspensão da neutralização dos efeitos do dinheiro injetado com a compra de dívida pública no mercado secundário.

Esta «esterilização» das compras de dívida pública consiste em incentivar os bancos a depositar liquidez no banco central para evitar um excesso no mercado e uma ameaça inflacionista.

O BCE poderá também lançar um novo empréstimo de longo prazo (LTRO) aos bancos, com o objetivo de incentivar os empréstimos ao setor privado.

Afastada deverá ficar a possibilidade de um programa de 'quantitative easing', ou seja, da compra de ativos financeiros à semelhança do que é feito pela Reserva Federal (Fed) nos Estados Unidos, tendo em conta que a questão «é muito polémica no Conselho de Governadores do BCE para que seja adotada», segundo o economista-chefe para a Europa do IHS, Howard Archer.