A EDP vai sofrer um agravamento superior a 24 milhões de euros no valor da contribuição extraordinária sobre o setor energético. Segundo o Diário Económico, é um agravamento de 54%.

Em contrapartida, a Redes Energéticas Nacionais verá o montante que lhe estava imputado cair de 30 milhões para 24,5 milhões de euros.

A Galp vai manter o esforço de 35 milhões de euros, enquanto a Endesa irá agora dispender quase 1,5 milhões.

No total são perto de 100 as empresas abrangidas pela nova taxa aplicada ao setor energético, que incide sobre ativos tangíveis e intangíveis.