A taxa de inflação homóloga da zona euro fixou-se -0,1% em março, confirmou esta sexta-feira o Eurostat, o que significa uma recuperação face à queda de preços de 0,3% registada em fevereiro.

O gabinete de estatísticas europeu confirmou, assim, o valor da estimativa divulgada a 31 de março, com os -0,1% de fevereiro a representarem a taxa menos negativa desde dezembro do ano passado.

Também no total da União Europeia a taxa de inflação estabeleceu-se em -0,1% no último mês, contra os - 0,3% de fevereiro.

Em Portugal, segundo o Eurostat, a taxa de inflação homóloga foi de 0,4% em março, voltando a valores positivos depois de três meses em terreno negativo.

Em março, foram registadas taxas negativas em 12 Estados-membros, sendo as mais significativas de Grécia (-1,9%), Chipre (-1,4%), Polónia (-1,2%) e Bulgária e Lituânia (-1,1% cada um).

Já as taxas de inflação mais elevadas aconteceram na Áustria (0,9%), na Roménia (0,8%) e na Suécia (0,7%).

Comparando com os valores registados em fevereiro de 2015, a taxa de inflação homóloga baixou em três Estados-membros, ficou estável em outros três e aumentou em 22.

Para o abrandamento da queda da taxa de inflação da zona euro, em março, contribuíram sobretudo os setores de restaurantes e cafés, rendas de imóveis e tabaco, enquanto o impacto negativo veio dos combustíveis e telecomunicações.

Preocupado com a baixa inflação da zona euro, o Banco Central Europeu (BCE) tem em marcha um programa de compra de ativos em larga escala para combater a deflação e estimular a economia.

O BCE tem como mandato uma taxa de inflação da zona euro inferior mas próxima dos 2%

A taxa de inflação hoje divulgada mede a evolução do índice harmonizado de preços ao consumidor entre o mês em causa e o mesmo mês do ano anterior.