A taxa de desemprego na zona euro foi, em julho, de 10,9%, a mais baixa desde fevereiro de 2012, tendo Portugal registado a quarta maior queda, segundo dados divulgados hoje Eurostat.

De acordo com o gabinete oficial de estatísticas da UE, o desemprego na zona euro recuou em julho, quer na comparação com os 11,6% do mesmo mês em 2014, quer com os 11,1% de junho, e a taxa de 10,9% é a mais baixa registada desde fevereiro de 2012.

Também na UE, o indicador diminuiu em julho para 9,5%, face aos 10,2% do período homólogo e aos 9,6% de junho.

O desemprego de julho, no conjunto dos 28 Estados-membros, é o mais baixo desde junho de 2011.

A taxa de desemprego caiu, na comparação homóloga, em 23 Estados-membros, tendo Portugal registado o quarto maior recuo (de 14,1% em julho de 2014 para 12,2%), depois da Bulgária (de 11,5% para 9,4%), Espanha (24,3% para 22,2%) e Grécia (27,0% para 25,0% entre maio de 2014 e maio de 2015).

A Alemanha (4,7%), a República Checa e Malta (5,1% cada) apresentam as menores taxas de desemprego, enquanto a Grécia (25,0% em maio) e a Espanha (22,2%) têm as mais altas.

Em relação à taxa de desemprego jovem, esta foi, em julho, de 21,9% na zona euro e de 20,4% na UE, tendo diminuído em ambos os casos, quer na comparação homóloga (23,8% e 22%, respetivamente) quer na em cadeia (22,3% e 20,6%).

Portugal registou a quinta maior taxa de desemprego jovem (31%), em baixa face julho de 2014 (34,8%), e também a junho de 2015 (31,6%).

As mais altas taxas de desemprego entre as pessoas com menos de 25 anos verificaram-se na Grécia (51,8% em maio de 2015), Espanha (48,6%), Croácia (43,1% no segundo trimestre do ano) e em Itália (40,5%).