A Tabaqueira, que domina grande parte do mercado, decidiu baixar os preços dos maços de tabaco das marcas mais vendidas, aproximando o valor ao praticado antes da subida do imposto prevista no último orçamento do Estado. São menos 10 cêntimos que a empresa justifica com política comercial.

É de recordar que a Tabaqueira foi a única grande empresa que, no último aumento de impostos, decidiu subir os preços. Agora, justifica esta descida como uma política comercial depois de um aumento de 20 cêntimos no tabaco que refletia a subida de impostos no Orçamento do Estado para 2016.

Para a representante dos armazenistas, o motivo será tão-só uma estratégia de concorrência.

O prazo para acabar a venda de tabaco com o valor antigo está a terminar. Até 1 de julho todos os maços têm de ter refletido o imposto inscrito no Orçamento do Estado para este ano.

Em abril último, as simulações da Associação de Grossistas de Tabaco alertavam para o facto de algumas marcas poderem estar a aumentar demais os preços, mais do que deviam se aplicassem a subida do imposto do tabaco. Uns aumentaram 10 cêntimos e outros 20 cêntimos como foi, de resto, o caso inicial da Tabaqueira.