O Estado pagou 139,4 milhões de euros ao Deutsche Bank para cancelar 14 contratos 'swap', com 90% deste valor relativo a contratos com os metros de Lisboa e Porto, tendo recebido ainda 10 milhões de um contrato com a Parpública.

De acordo com os documentos enviados à comissão parlamentar de inquérito e a que a Lusa teve acesso, o Estado chegou a acordo a 21 de junho com o banco alemão Deutsche Bank para cancelar os contratos que este tinha com as empresas Metro de Lisboa, Metro do Porto, CP - Comboios de Portugal, Estradas de Portugal e Parpública, cancelamento que foi concretizado a 28 do mesmo mês.

Segundo o Estado, a negociação com este banco foi um «processo negocial difícil» que durava já desde 12 de novembro.

O cancelamento que implicou maiores custos para o Estado foi o dos contratos entre o Metro de Lisboa e o Deutsche Bank, com o Estado a pagar 73,7 milhões de euros, para fechar nove operações 'swap'. Segundo o documento, o valor destas operações no momento do fecho era negativo em 107,9 milhões de euros.

Já o cancelamento das três operações existentes com o Metro do Porto custou 54,7 milhões de euros, isto para um valor de mercado negativo em 80,1 milhões de euros.

Para pagarem ao Deutsche Bank o cancelamento dos contratos, a Direção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF) concedeu um adiantamento de tesouraria às empresas que gerem o metropolitano de Lisboa e Porto no exato valor que pagaram ao banco alemão.

O Estado pagou ainda 8,98 milhões de euros para cancelar um contrato 'swap' entre o Deutsche Bank e a Estradas de Portugal e 2,049 milhões de euros para outra operação com a CP. O primeiro tinha um valor de mercado negativo de menos 13,16 milhões de euros, no seu fecho, e o segundo de menos três milhões de euros.

Enquanto a CP não terá necessitado do empréstimo da DGTF para pagar ao Deutsche Bank, já a Estradas de Portugal teve um adiantamento de tesouraria de 8,98 milhões de euros, o preciso valor pago ao banco alemão.

O Estado fechou ainda duas operações 'swap' entre a Parpública e o Deutsche Bank, mas estes contratos tinham um ganho potencial para a empresa de 11,33 milhões de euros. Neste caso, o banco pagou 10 milhões de euros.

De acordo com a informação conhecida, até final de junho, o Estado cancelou 69 contratos 'swap' de nove bancos, tendo pago 1.008 milhões de euros aos bancos para anular perdas potenciais de cerca de 1.500 milhões de euros.