Os trabalhadores do setor privado têm até sexta-feira para decidir se querem ou não receber metade dos subsídios de Natal e de férias em duodécimos.

Este ano, para estes trabalhadores mantém-se a opção de receber metade dos subsídios diluídos em 12 meses.

Até sexta-feira, o regime de duodécimos pode ser afastado por manifestação de vontade expressa por parte do trabalhador. Se o trabalhador nada fizer mantém-se o pagamento por duodécimos.

Já os funcionários públicos e pensionistas não têm escolha: recebem metade do subsídio de Natal em duodécimos e a outra metade em novembro ou dezembro no caso dos pensionistas da Segurança Social.

Só a partir de 2018 é que o subsídio de Natal será pago integralmente na função pública.  

O subsídio de Natal deixou de ser pago integralmente aos funcionários públicos em novembro em 2012 e é desde 2013 pago em duodécimos, um valor distribuído pelos 12 meses do ano.