O primeiro-ministro recusou esta sexta-feira o repto do secretário-geral do PS para que o Governo pague sem cortes o subsídio de natal aos trabalhadores do setor público, utilizando uma alegada folga orçamental de 900 milhões de euros.

António José Seguro fez este desafio a Pedro Passos Coelho no debate quinzenal, no parlamento, numa intervenção em que acusou o Governo de estar envolvido «numa novela de afronta ao Tribunal Constitucional».

O líder socialista citou a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) para apontar que há uma folga orçamental na ordem dos 900 milhões de euros este ano, mas o líder do executivo respondeu: «Enquanto houver folga e dívida elevada em Portugal, não há folga».