O Estado português apenas atribuiu prestações de desemprego a 388 mil desempregados em janeiro, deixando sem estes apoios mais de 425 mil desempregados, segundo dados divulgados esta quarta-feira pela Segurança Social.

De acordo com os últimos dados disponibilizados na página da Segurança Social (www.seg-social.pt), em janeiro existiam 388.383 beneficiários de prestações de desemprego, mais 13.326 pessoas do que em dezembro (últimos dados disponíveis) e o equivalente a 47,7% do último número total de desempregados contabilizados pelo Eurostat.

Mais de 50 mil crianças perderam direito ao abono de família

Os últimos dados divulgados pelo Eurostat contabilizavam, em janeiro de 2014, um total de 814 mil desempregados, com a taxa de desemprego a situar-se nos 15,3% (igual a dezembro).

Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em janeiro o valor médio de 470,19 euros, face aos 493,55 euros observados um ano antes.

O Porto é o distrito com o número de beneficiários com prestações de desemprego mais elevado, tendo sido em janeiro atribuídos subsídios a 82.789 pessoas.

Segue-se o distrito de Lisboa, com 74.352 desempregados a receberem prestações de desemprego e o de Setúbal (com 33.747 desempregados com direito a subsídio).

Os beneficiários do sexo masculino são em número superior (203.595 pessoas), em relação aos do sexo feminino (184.788).