Os parceiros sociais manifestaram-se hoje incrédulos perante a ausência do chefe de missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Portugal, Subir Lall, no encontro convocado pelo mesmo, no âmbito do processo de acompanhamento e monitorização da economia nacional.

Naquela que deveria ter sido uma reunião para avaliar as políticas do mercado de trabalho e o seu impacto fiscal, incluindo a reposição da lei das 35 horas de trabalho semanal para a função pública, o salário mínimo, a despesa pública e as desigualdades, os parceiros sociais estiverem reunidos mais de duas horas com dois técnicos do FMI que não conhecem, sem que lhes tenha sido dada uma justificação para a ausência de Subir Lall, que convocou o encontro.

Entre os sete elementos do FMI que deveriam estar presentes no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, compareceram apenas dois que, segundo os parceiros, nada disseram, não se apresentaram, tomaram notas, e que apenas falaram para colocar uma questão: "Qual a opinião dos parceiros sociais sobre a redução do investimento em Portugal?".

"Surpreendeu-nos a ausência de Subir Lall e não foi explicada a razão. Espero que seja uma boa razão, senão significa um desprezo pela concertação social e pelos parceiros, que nós consideramos que é negativo. Os técnicos presentes não se apresentaram e pela idade não devem ser pessoas com muita experiência", afirmou o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Viera Lopes.

Também o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, lamentou o facto de o chefe de missão do FMI, Subir Lall, não ter estado presente no encontro.

Do lado das centrais sindicais, a surpresa pelo sucedido pautou as declarações do secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, para quem "situações destas no futuro não podem voltar a verificar-se".

O FMI não pode pensar que chega a Portugal, define uma agenda política e chama os parceiros sociais para dar suporte a essa agenda política, sem dizer uma palavra, sem fundamentar uma posição, sem justificar aquilo que dizem", considerou o líder da central sindical, acrescentando que "eles [os técnicos] funcionam como robôs, entram para ouvir falar, tiram apontamentos, são confrontados com questões concretas, e não respondem".

Já a UGT, pela voz da secretária-geral adjunta, Ana Paula Bernardo, afirmou, por seu turno, que a estrutura sindical não foi informada da composição" nem total, nem parcial, da delegação do FMI".

"Foi-nos dito que numa próxima oportunidade o chefe de missão tentaria estar presente", disse.

Questionada sobre quem seriam os dois elementos do FMI presentes no encontro desta manhã, Ana Paula Bernardo disse não saber responder a essa pergunta, e acrescentou: "Tanto quanto sabemos são técnicos do FMI que acompanham certamente Portugal, mas essa questão terá de ser colocada ao chefe de missão".

A deslocação dos representantes do FMI a Lisboa, com a duração de mais de uma semana, tem final marcado para quarta-feira.

De acordo com a folha de presenças afixada no final da reunião, os técnicos do FMI presentes no encontro eram Mathew Gartner e Maximilien Queyranne.