O Governo e os parceiros sociais discutem na terça-feira em concertação social o valor do salário mínimo para 2018, que deverá ser de 580 euros.

Segundo a convocatória da reunião, aqui citada pela Lusa, o aumento do salário mínimo nacional é o primeiro ponto da ordem de trabalhos da reunião.

O encontro contará também com a presença do ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, que apresentará o ponto 2 da ordem de trabalhos, relativo ao "Ponto de situação do Programa Capitalizar".

Na última reunião de concertação social, no dia 5, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, apresentou aos parceiros sociais uma proposta de 580 euros para o salário mínimo em 2018 e disse que era “muito provável” que o valor ficasse naquele valor.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, queixou-se, na TVI24, de que "todos os anos temos esta lenga-lenga", que não há argumentos para que não se fixe o salário mínimo nos 600 euros. Afirmou mais: que as confederações patronais não têm sequer a coragem para dizer que o valor não é justo. Já a UGT tem como meta os 585 € para 2018.

O salário mínimo é atualmente de 557 euros. A discussão sobre o aumento - a promessa do Governo é chegar aos 600 euros no final da legislatura, em 2019 - tem subido de tom.

Mesmo aqui ao lado, em Espanha, o salário mínimo vai subir 4% no próximo ano, para um valor bastante acima do de Portugal: 735,90 euros por mês. É essa a proposta do governo de Mariano Rajoy.