“O Estado, na relação com a empresa pública Metro do Porto, tem de acautelar todas as circunstância para o futuro. Por exemplo, se houver uma expansão de rede [o Estado] pode entender que essa expansão pode vir a beneficiar de indemnizações compensatórias"