Os trabalhadores da STCP cumprem mais dois dias de greve, este fim-de-semana, em protesto contra a redução de 50% na remuneração referente a horas trabalhadas em dia feriado.

"Mantém-se tudo nos mesmos moldes em que foi definido", disse à Lusa, Jorge Costa do Sindicato Nacional dos Motoristas segundo o qual, tratando-se de feriados em dias de "festas de família", a adesão à greve poderá ser "superior a 50%".

Na última paralisação, a 09 de fevereiro, dia de Carnaval, a adesão "foi cerca de 20%", um número que o dirigente sindicalista justifica com o facto de o sindicato não estar a "fazer nenhuma campanha" ou "ação junto dos trabalhadores".

"Deixamos ao livre arbítrio de cada um", assinalou.

A remuneração relativa às horas extraordinárias sofreu alterações nos últimos anos, devido a medidas implementadas pelo Governo liderado pelo social-democrata Pedro Passos Coelho.

Em 2012, através de uma alteração ao Código do Trabalho, o valor pago pelo trabalho suplementar foi reduzido para metade, contudo, desde 01 de janeiro deste ano, cumprindo a decisão do Tribunal Constitucional, o anterior Governo deixou cair essa medida, sendo que os trabalhadores abrangidos por contratos coletivos de trabalho devem receber o pagamento a 100%.

Os trabalhadores da STCP decidiram no dia 07 de dezembro que seriam apresentados novos pré-avisos de greve para o trabalho em dias de feriado em 2016.