Os pilotos da TAP e da Portugália estão reunidos desde as 15:00, em Lisboa, numa iniciativa promovida pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), com a situação atual das companhias aéreas e a privatização do grupo na agenda.

Contactada pela Lusa, fonte oficial do SPAC desvalorizou o encontro de pilotos, adiantando que “é uma reunião informal para conversar”, no dia em que o Governo decidiu passar dois candidatos - Germán Efromovich e David Neeleman - à fase de negociações e  rejeitar a proposta de Pais do Amaral.

Os pilotos da TAP e da Portugália cumpriram 10 dias de greve (entre 1 e 10 de maio) por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação de até 20% no capital da empresa no âmbito da privatização.

Ainda durante a greve, o SPAC prometeu "desenvolver todas as diligências necessárias e suficientes para congregar forças alargadas que se oponham a este opaco e desastroso processo de privatização".

O Governo decidiu esta quinta-feira em Conselho de Ministros passar dois candidatos à compra da TAP à fase de negociação, afastando o consórcio de Miguel Pais do Amaral e continuando a negociar com Germán Efromovich e David Neeleman.

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, afirmou hoje na habitual conferência de imprensa do Conselho de Ministros que o relatório da Parpública decidiu afastar a proposta da Quifel, de Pais do Amaral, "por não cumprir os requisitos legais".

A proposta da Quifel, de Pais do Amaral, para a compra da TAP "era não vinculativa, logo não cumpria um dos requisitos do caderno de encargos", e foi afastada, adiantou o governante.