O Estado português atribuiu perto de 233 mil prestações de desemprego em maio, deixando sem estes apoios quase 377 mil desempregados. As contas foram feitas pela agência Lusa com base nos últimos dados oficiais disponíveis.

Em maio, existiam 232.838 beneficiários de prestações de desemprego, menos 9.331 pessoas do que em abril. Em percentagem, o número de beneficiários é equivalente a 38% do balanço total feito pelo Instituto Nacional de Estatística. As estimativas provisórias de abril contabilizavam 609,8 mil desempregados, com a taxa de desemprego a situar-se nos 12% (inalterada face a março).

Das prestações contabilizadas pela Segurança Social, 115.251 referem-se a mulheres e as restantes 117.587 dizem respeito a homens.

Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em maio o valor médio de 449,14 euros, face aos 450,47 euros registados no mês anterior.

Já o número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) aumentou 1,2% em maio, para 212.772 pessoas. São mais 2.739 face a abrir, segundo os dados atualizados do Instituto da Segurança Social.