O Tribunal de Contas detetou centenas de casos em que a Segurança Social e a Caixa Geral de Aposentações pagaram reformas a beneficiários já falecidos. Há até casos, revela o jornal i, em que o óbito dos pensionistas só foi comunicado pelo Ministério da Justiça à Segurança Social dez anos depois.

O TdC já tinha criticado no passado as insuficiências no sistema informático da Segurança Social, mas este ano fez um estudo abrangente sobre o tema.

Com base nas informações extraídas da base de dados da Segurança Social a 31 de dezembro de 2014 foram encontrados milhares de erros relativos a 2,9 milhões de pensões pagas diretamente pela SS e 187.000 pagas pela CGA.

Em 3.176 casos a data de nascimento dos beneficiários estava incompleta ou era inválida. Em quase 45 mil pensões da CGA não havia dados sobre a identificação fiscal dos beneficiários. Numa consulta a 16.000 pensionistas com pensões ativas em 2014 com idade igual ou superior a 95 anos, 492 já haviam falecido.