O Instituto da Segurança Social acaba de lançar o concurso público para a reabertura em Castelo Branco do centro de contacto nacional da Segurança Social. A iniciativa é aplaudida pelo município local, que vai disponibilizar as infraestruturas. A reabertura prevê a criação de 150 posições de trabalho.

Este é o resultado do esforço que temos feito para criar postos de trabalho em Castelo Branco. Mostra ainda que a Segurança Social mudou a sua estratégia e pretende prestar um serviço cada vez melhor à população e às empresas"

Palavras do presidente da câmara de Castelo Branco, Luís Correia, que vê "com muito agrado" este anúncio, disse o próprio à Lusa.

O concurso público internacional foi lançado hoje em Diário da República e prevê a aquisição do serviço de operação e gestão da linha Segurança Social e linha nacional de Emergência Social em Castelo Branco, por um valor base que ultrapassa os 6,6 milhões de euros. O prazo de execução é de 36 meses a contar da celebração do contrato.

O anterior Governo liderado por Pedro Passos Coelho encerrou, em 2012, o centro de contacto nacional Via Segurança Social que funcionava naquela cidade. Na altura, o ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, justificou que o modelo de funcionamento do centro de atendimento Via Segurança Social era "insustentável" financeiramente.

O autarca Luís Correia sublinhou hoje, com alguma cautela, que para já as suas declarações são numa perspetiva de intenção e tendo por base o anúncio do concurso por parte da tutela. Posteriormente, o processo será alvo do estabelecimento de uma oficialização, através de um protocolo.

Contudo, adiantou que o município de Castelo Branco assumiu o compromisso de disponibilizar as instalações físicas para o centro de contacto da Segurança Social.

O nosso compromisso é ter as instalações disponíveis para o centro de contacto. A câmara já arrendou o espaço e abriu um concurso para adaptação das instalações que vão ficar no centro da cidade, no sentido de o dinamizar, bem como para trazer uma nova dinâmica ao comércio local daquela zona"

O autarca explicou ainda que há muito tempo que tem vindo a manter um diálogo permanente com a Segurança Social sobre esta matéria.