Os trabalhadores da Axa Portugal vão realizar hoje uma concentração em frente às instalações da empresa, em Lisboa, pelas 16:45, para contestar o processo de despedimento coletivo que afeta 67 funcionários e que os sindicatos consideram ilegal.

Segundo o Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins (SINAPSA), que anunciou esta ação de protesto, há «ilegalidades» no despedimento coletivo promovido pela Axa Portugal

«A administração da Axa viola a lei no despedimento coletivo que está a promover de 67 trabalhadores, até porque não ouviu, previamente, a Comissão de Trabalhadores, como estava obrigada pelo Código de Trabalho», salientou na quinta-feira à agência Lusa José Manuel Jorge, dirigente sindical.


Quanto ao fecho de estabelecimentos que, segundo o sindicato, a seguradora tem promovido, José Manuel Jorge apontou para um «comportamento punido criminalmente», já que «a administração fez lockout (paralisação realizada pelo patrão com o objetivo de exercer pressões sobre os trabalhadores) ao encerrar estabelecimentos, locais de trabalhou ou ao obstar, unilateralmente, a prestação de trabalho».

Por tudo isto, o SINAPSA defende a anulação do despedimento coletivo, por violar a lei, e «abrir um procedente perigoso, não só para a empresa, mas para todo o setor».

E agendou para sexta-feira, dia 10 de abril, pelas 16:45, na Avenida do Mediterrâneo, no Parque das Nações, em Lisboa, sede da companhia seguradora, uma concentração.