Dados do relatório de imigração, fronteiras e asilo (RIFA) avançados hoje pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) revelam que Portugal entregou 476 vistos «Gold» no ano passado para investimento no país.

Os vistos entregues em 2013 traduzem um investimento superior a 304,5 milhões de euros.

Estas permitem que cidadãos estrangeiros, não europeus nem da zona Schengen, consigam uma autorização de residência em Portugal para desenvolver uma atividade de investimento.

O SEF teve, no ano passado, 1116 candidaturas ao regime especial de autorização de residência para atividade de investimento. Cerca de 80 por cento destas candidaturas provêm de cidadãos chineses. Em menor quantidade surgem os pedidos de brasileiros (3%), angolanos (2%) e sul-africanos (2%).

Das candidaturas registadas 476 processos foram aprovados para autorização de residência para atividade de investimento e 563 dizem respeito a reagrupamento familiar.

O relatório do SEF revela que 446 vistos «Gold» serviram para a aquisição de bens imóveis de valor igual ou superior a 500 mil euros nas áreas da grande Lisboa, Setúbal, Algarve e Madeira, num investimento aproximado de 270,3 milhões de euros. O RIFA mostra ainda que a transferência de capitais igual ou superior a um milhão de euros atingiu, em 30 operações, cerca de 34,2 milhões de euros. No total, o investimento realizado em Portugal no último ano ultrapassou os 300 milhões de euros, 304,5 milhões.

Os vistos «Gold» surgiram em 2012 como medida do Governo português para atrair investimento estrangeiro para o país. Para o conseguir o cidadão ou sociedade estrangeira deve desenvolver uma atividade por um período mínimo de cinco anos ou transferir capital para Portugal num valor igual ou superior a um milhão de euros, criar pelo menos dez postos de trabalho ou comprar imóveis numa valor mínimo de 500 mil euros.