A receita do sistema de pagamento de portagens eletrónicas para veículos de matrícula estrangeira nas antigas Scut, denominado Easytoll, foi de 5,4 milhões de euros nos primeiros nove meses deste ano.

Segundo informou hoje à agência Lusa fonte da Estradas de Portugal (EP), entre janeiro e setembro, o valor de portagem paga exclusivamente através do sistema Easytoll ascendeu aos 5,40 milhões de euros, um aumento de 27% face ao período homólogo de 2013, quando o volume de receita cobrada foi de 4,25 milhões de euros.

Nos primeiros nove meses deste ano, este sistema recebeu 255.100 adesões, através dos quatro pontos instalados junto à fronteira com Espanha, um crescimento de 27% em relação ao mesmo período de 2013, quando foram registadas 200.400 adesões nas concessões do Algarve, Beira Interior, Beiras Litoral e Alta, Costa de Prata, Grande Porto, Interior Norte e Norte Litoral.

Com quatro praças instaladas junto às fronteiras, dotadas do sistema Easytoll, implantado em 2012, é possível aos condutores de veículos (ligeiros ou pesados) com matrícula estrangeira a associação da respetiva matrícula a um cartão bancário, apenas com a sua passagem, sendo válido pelo período de um mês e as passagens - em autoestradas com portagens eletrónicas - debitadas naquela conta.

Segundo a EP, foi «no ponto de venda localizado na A25 em Vilar Formoso onde se verificou o maior número de condutores a aderir ao Easytoll, logo seguido pelo ponto de venda instalado na Via do Infante. É também na A22 onde se verifica o maior crescimento homólogo, mais 32%.

A empresa destaca o facto de a A25 ser «a principal zona de entrada dos emigrantes no regresso ao nosso país para o gozo de férias» e de a A22 ser «mais utilizada principalmente por turistas espanhóis em visitas regulares ao Algarve».

O sistema permite que o condutor, sem ter de sair da viatura, introduza um cartão bancário no terminal de pagamento e o sistema associa automaticamente a matrícula do veículo a esse cartão bancário. As portagens devidas serão diretamente debitadas na conta associada ao cartão, um serviço que a EP contratou, no final de outubro, e por um período de mais de um ano, à rede Unicre por quase 320 mil euros.

Este sistema funciona na A22 (Vila Real de Santo António), na A24 (Chaves), na A25 (Vilar Formoso) e na A28 (Viana do Castelo).