Um erro de cálculo obrigou os trabalhadores da função pública a descontar para a ADSE mais do que era previsto por lei, nos últimos dois anos. A falha já foi reconhecida pelo diretor-geral do subsistema de saúde que informou que os descontos indevidos vão ser devolvidos.

Desde janeiro de 2013 que os trabalhadores da função pública têm descontado mais do que era suposto. O cálculo deveria ter em conta o salário base dos funcionários mas, nos últimos dois anos, as contas incluíram também os suplementos remuneratórios, como as despesas de respresentação e a isenção de horário, o que levou a um aumento das contribuições.

Atualmente o valor dos descontos para a ADSE situam-se nos 3,5%, depois de já ter sofrido vários aumentos nos últimos anos. Na altura em que o erro de cálculo terá começado, este situava-se nos 1,5%.

Ou seja, esta má contabilização significa que um trabalhador com um vencimento base de 1.300 euros euros e suplementos de 140 euros mensais, pagou 148 euros a mais nos últimos dois anos. euros.

O erro já foi reconhecido pelo diretor-geral da ADSE, que afirmou que o valor adicional descontado desde janeiro de 2013 deve ser devolvido este ano.