A empresária angolana Isabel dos Santos saudou hoje “a solução encontrada para resolver a situação” no BPI na assembleia-geral de quarta-feira, considerando que “mostra o sentido de compromisso e responsabilidade que sempre orientou a atuação da Santoro”.

Desde o início, conduzimos este processo com idoneidade e transparência, de forma a responder aos interesses de todas as partes envolvidas”, refere a líder da Santoro Finance - que é o segundo maior acionista do BPI, com 18,6% - numa declaração escrita hoje divulgada.

No documento, a filha do presidente José Eduardo dos Santos diz estarem agora “reunidas as condições para que ambas as instituições, o BPI e o BFA [Banco Fomento de Angola], consolidem a sua posição nos mercados português e angolano, contribuindo para o crescimento das economias de ambos os países”.

Depois em entrevista de Tiago Violas Ferreira, administrador do grupo Violas, que através da Violas Ferreira detém quase 3% do capital do banco, ter assumido que não continuariam a bloquear o processo - de oferta do CaixaBank - em prol do futuro do banco, na terça-feira, um dia antes da assembleia-geral, foi a vez de a administração dar mais um passo para desbloquear a situação. 

Em comunicado, a administração do BPI anunciou que enviou para Luanda uma proposta que permite resolver o impasse da desblindagem de estatutos e o problema da exposição excessiva a Angola. O BPI propõe ceder controlo do BFA - Banco Fomento de Angola a Isabel dos Santos em troca da desblindagem de estatutos.

Atualmente, o BPI detém 50,1% do capital do BFA, enquanto a Unitel é dona de 49,9%. Com esta proposta o BPI quer resolver, de uma vez por todas, a exposição do BPI ao risco em Angola. Uma exposição que tem sido alvo de "puxões de orelhas" do Banco Central Europeu (BCE) que quer que o banco português não ultrapasse os níveis de exposição impostos por Bruxelas.

Ontem em conferência de imprensa, o presidente do conselho de administração, Artur Santos Silva, disse acreditar que a negociação com a Unitel vai chegar a bom porto.