Começa esta segunda-feira em Londres o julgamento de nove contratos swap que opõem o Santander Totta a quatro empresas públicas de transportes.

 Os metros de Lisboa e do Porto, a Carris e a Sociedade dos Transportes Coletivos do Porto estão em tribunal defendidas por dois grandes escritórios internacionais de advogados.

A defender a validade dos swaps no tribunal comercial do supremo tribunal de justiça inglês está uma equipa multidisciplinar com advogados ingleses e portugueses.

Um dos principais pontos será avaliar se os contratos são nulos. A decisão do juiz não tem no entanto que ser a mesma para todos os swap.

Em causa estão perdas potenciais avaliadas em 1320 milhões de euros, a troca de argumentos em tribunal vai durar seis semanas.