A Federação dos Sindicatos do Setor Financeiro (Febase) disse esta segunda-feira que os seus sindicatos se “regozijam” com a solução encontrada para o Banif por o que esta “significa na defesa dos postos de trabalho”.

Os sindicatos afirmam ainda que a venda de parte da atividade do Banif ao Santander “inspira confiança quanto ao futuro dos trabalhadores do Banif”, uma vez que o banco de origem espanhola tem “demonstrado preocupações sociais” na sua conduta, destacando que este, nos últimos anos, aumentou os vencimentos mais baixos.

“A Febase continua a acompanhar o processo e espera que os próximos desenvolvimentos demonstrem a vontade de manter o negócio, retirando de uma vez por todas a instabilidade que tem pairado sobre os trabalhadores quanto ao seu futuro”, lê-se na nota publicada no portal da Federação dos Sindicatos do Setor Financeiro na Internet.


Refere ainda a Febase que, para conhecer mais detalhes sobre este processo mas também sobre o futuro da companhia de seguros Açoreana, aguarda a marcação de uma reunião com o Governo.

“Os sindicatos mantêm-se atentos à situação e os trabalhadores do Banif podem contar com o seu apoio na defesa dos seus interesses”, conclui a Febase no comunicado.


O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse hoje em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros que, no processo de resolução do Banif, "os direitos laborais serão respeitados", sendo que "parte dos trabalhadores passam para a alçada do Santander Totta e a outra parte fica no veículo de gestão de ativos" criado pelo Estado para absorver o que o Santander Totta não quis.

Quanto à Açoreana, Centeno disse hoje que a seguradora fica no veículo do Estado, assim como os seus trabalhadores.

A Febase agrupa os sindicatos mais representativos do setor financeiro.