Dezenas de lesados do Banif concentraram-se esta manhã no centro do Funchal a exigir uma solução para os seus investimentos no banco que foi alvo de resolução.

Os manifestantes foram à sede do Governo Regional da Madeira pedir ajuda para convencer o Santander Totta a indemnizar os investidores no antigo Banif.

Os lesados no Banif, na Madeira, mostra-se indignados com o fato de, no âmbito dos incêndios, o Santander Totta ter disponibilizado cerca de meio milhão de euros para a reconstrução, bem acima das doações de cinco e 10 mil euros de outros bancos.

No entendimento destas pessoas não faz sentido que não sejam também ajudadas já que, em muitos casos, também ficaram sem nada, concretamente arriscam perder as casas.

O presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, acabou por falar com estes lesados, a quem prometeu ajuda, no sentido de fazer algumas diligências. De resto, a mesma afirmação que já tinha feito em julho.

Em primeiro lugar o que é importante é apoiar as pessoas [a Segurança Social já está a tratar disso] algumas em grande fragilidade psicológica e material e, acredito, em alguns casos a situação terá que ser resolvida pela via judicial. Posso fazer diligências mas não posso estar a prometer coisas", disse Miguel Albuquerque.

Em junho o Santander Totta lançou uma emissão de obrigações subordinadas destinadas aos clientes do Banif que detinham estas aplicações, que ficaram no banco mau, e que, por isso, poderão não reaver o investimento feito.

A 20 de dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal (BdP) anunciaram a resolução do Banif com a venda da atividade bancária ao Santander Totta por 150 milhões de euros e a criação da sociedade-veículo Oitante para a qual foram transferidos os ativos que o Totta não quis comprar.