O Governo vai analisar esta quinta-feira em conselho de ministros a reintrodução dos cortes salariais que vigoraram em 2011, na sequência da aplicação de uma medida do governo Sócrates, escreve o Correio da Manhã.

Esta é uma das alternativas ao chumbo do Tribunal Constitucional à redução dos vencimentos através do Orçamento do Estado para 2014: o Executivo quer aplicar já em julho um corte entre 3,5% e 10% nos ordenados acima de 1500 euros.

Caso a medida entre em vigor já em julho, os funcionários públicos apenas receberão o vencimento de 2010 sem cortes em junho, ainda que a redução dos ordenados penalize um número menos de trabalhadores do Estado.

Segundo o Observador, outra das medidas passa pela aprovação da nova Tabela Salarial Única da Administração Pública, que deixa no papel as escalas salariais de todas as carreiras do Estado.

Na manga do Governo continua outra medida, que o Executivo preferia evitar. «A diferença entre o que estava previsto no DEO e o que podemos aplicar nesta fase terá que ser resolvida com impostos», explica fonte ao Observador.

O núcleo político acredita que bastará, para as contas de 2014, que esse aumento seja aplicado no último trimestre, o tempo suficiente para, após a decisão do TC, se aprovar a medida na Assembleia e esta entrar em vigor.