A greve por aumento de salários já chegou ao sector de luxo: a joalharia francesa Cartier, fundada em 1847, está a enfrentar a primeira greve da sua história, segundo a Lusa.

Os trabalhadores estão no centro de Paris a exigir aumentos de 200 euros no salário mensal, depois de considerarem a proposta da administração, de aumentos de 75 euros brutos, uma «provocação.

Num comunicado divulgado na quinta-feira à noite, a administração da Cartier Joaillerie International manifesta «a sua profunda decepção e incompreensão com o fracasso das negociações com o delegado sindical da CGT».