Os trabalhadores da Soares da Costa com salários em atraso estão a receber, do presidente do Sindicato da Construção de Portugal, Albano Ribeiro, a indicação para suspenderem o contrato de trabalho.

“Vamos aconselhar os trabalhadores a suspenderem os contratos, que pelo menos assim recebem 70 por cento do salário, pagos pela Segurança Social”.

À Lusa, o próprio Albano Ribeiro relatou que muitos trabalhadores da empresa “já não tem dinheiro para comer, nem para pagar as suas contas e, portanto, isto vai ter que ser alterado”.“Quando a empresa pagar, os trabalhadores têm de regressar ao seu posto. Agora vamos querer saber e dizer hoje publicamente que se a empresa tem dinheiro tem de pagar”.

O sindicalista voltou a acusar a Soares da Costa de ter assumido perante um outro elemento do sindicato numa reunião de ter “oito milhões de euros no Deutsche Bank”, o que “dava para pagar os salários todos em Angola e em Portugal”. “Não sei se esse dinheiro ainda está no Deutsche Bank ou não, tem de provar”, acrescentou.

A Soares da Costa e os seus administradores executivos anunciaram na passada quarta-feira ter decidido apresentar queixas-crime por “difamação e calúnia” precisamente contra o presidente do Sindicato da Construção de Portugal.

Albano Ribeiro disse que “têm todo o direito de avançar com isso”, da mesma maneira que o presidente do sindicato “tem todo o direito” de se defender”.

Acusou, ainda, a empresa de receber as quotas sindicais e de não as enviar para o sindicato, pelo que poderiam também apresentar uma queixa-crime, algo que não foi feito até aqui "por causa dos trabalhadores".