A UGT exige uma atualização de 2 a 2,5% nos salários em 2014 e também um aumento do salário mínimo nacional (SMN) para os 500 euros.

A central sindical, que foi a última a apresentar o plano reivindicativo ao Executivo, avisa que, sem melhoria do poder de compra será difícil recuperar o crescimento económico e criar mais emprego.

A CGTP, que foi mais ambiciosa nas exigências, quer aumentos salariais de 3%, com um mínimo de 30 euros mensais, e um SMN de 515 euros ainda este ano e de 550 euros no ano que vem.