O embargo da Rússia a produtos europeus poderá ter um impacto direto de até 15 milhões de euros em Portugal, sobretudo no setor de frutas e hortícolas, disse esta sexta-feira a ministra da Agricultura, adiantando que foram tomadas medidas para minimizar as consequências.

«Dos 50 milhões de exportações que temos para a Rússia, apenas 15 milhões de euros é que têm impactos, uma vez que há vários setores como vinho e azeite que não estão abrangidos», disse Assunção Cristas aos jornalistas, citada pela Lusa, à saída do Conselho de Ministros da Agricultura, em Bruxelas, realizado para avaliar o impacto do embargo russo no setor agrícola europeu.

A ministra disse que o setor que vai sofrer mais o impacto é o de frutas e hortícolas, e que Bruxelas já lançou um programa para comprar esses produtos aos produtores, retirando-os do mercado. Em Portugal, esses produtos são depois distribuídos às famílias carenciadas através do Banco Alimentar, explicou.

Além disso, afirmou Assunção Cristas, há outros setores que podem sentir o impacto do embargo, como o da carne de porco, devido à saturação do mercado europeu. Como há produtores que não estão a conseguir exportar para a Rússia, tentam por os produtos noutros países europeus, onde estão as empresas portuguesas, retirando-lhes mercado.

O embargo da Rússia a produtos europeus é a represália de Moscovo pelas sanções da União Europeia pelas violações russas da soberania da Ucrânia, lembra ainda a Lusa.