A Câmara do Porto considerou esta quarta-feira uma “pequena vitória” que a TAP mantenha o voo noturno de Lisboa mas mantém as críticas à estratégia do atual conselho de administração da empresa.

“É uma pequena vitória porque recuperámos um voo que a TAP tinha suprimido”, assinalou o gabinete de comunicação depois de conhecidos os horários da ponte aérea Porto/Lisboa que a transportadora pretende lançar no final de março.

Segundo a câmara, e de acordo com as informações avançadas em janeiro pela TAP, o plano inicial previa 16 voos diários com partida da capital, menos dois que o horário hoje divulgado pela empresa.

Os “novos” voos da TAP para o Porto têm partidas às 17:45 e às 22:25, sendo este último “o que tinha sido suprimido”, sustentou a autarquia.

Em janeiro, aquando do anúncio da criação da ponte aérea pela TAP Express, a administração da empresa divulgou que iria duplicar, a partir de março, as ligações aéreas entre Lisboa e o Porto, passando de 57 frequências semanais para 114, ou seja, para uma média de 16,3 por dia.

Na terça-feira, a Câmara do Porto acusou a TAP de ter decidido "discretamente" descontinuar o voo noturno entre Lisboa e Porto, que servia de ligação para os passageiros que vinham de voos de médio curso, a partir da Europa.

Hoje, a TAP divulgou os horários da "Ponte Aérea" entre Lisboa e Porto a arrancar na Páscoa, 27 de março, com voos "a toda a hora" e que incluem o voo noturno com partida às 22:25 da capital.

“A câmara do Porto tinha razão. A TAP repõe agora o voo da noite e põe mais um. A ponte aérea terminava às 20:30”, acrescentou o gabinete de comunicação da autarquia que quis assim “confirmar a denúncia feita” terça-feira de que o último voo tinha sido suprimido pela empresa.

Apesar da “pequena vitória”, a Câmara do Porto realça que “a questão da estratégia da TAP quanto ao aeroporto do Porto mantém-se”, nomeadamente com “a supressão das ligações à Europa” e a “ponte aérea Vigo-Lisboa” que representará uma “drenagem de tráfego”.

O presidente da Câmara do Porto tem criticado a estratégia da TAP para a cidade, nomeadamente a ligação Vigo-Lisboa, por considerar que a mesma vai “drenar o tráfego da Galiza e retirar passageiros” ao aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Já hoje, e durante reunião camarária, Rui Moreira disse que “a estratégia da TAP é um insulto à cidade do Porto e uma tentativa de destruir o aeroporto para construir um novo aeroporto, uma nova ponte e uma nova Expo [em Lisboa]”.