A Parvalorem recusou a proposta formal do empresário angolano Rui Costa Reis para comprar a coleção Miró. Segundo a empresa, a proposta não maximiza o encaixe financeiro e favorece potenciais interessados devido a regras «desenhadas à medida», revela o Diário Económico.

O empresário e colecionador tinha manifestado a intenção de comprar os quadros em março, mas a 6 de outubro o seu advogado enviou uma carta à empresa a formalizar a proposta, dizendo que garante o mínimo de 38 milhões de euros e a conservação das obras em Portugal.

A recusa foi recebida com estupefação pelo empresário, dado que se propõe adquirir as obras em leilão, podendo não só licitar por um valor mais alto como dá hipótese a outros interessados.

A Parvalorem diz que o contrato com a leiloeira Christie´s continua válido. O leilão deverá acontecer em 2015.