O presidente do BES disse esta sexta-feira que espera que «não haja razões» para serem levantadas dúvidas sobre a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que tem estado envolvida no caso dos swap.

«Espero que não haja razões para estarem a ser levantadas estas dúvidas» sobre a ministra das Finanças, disse Ricardo Salgado na conferência de imprensa de apresentação de resultados do BES no primeiro semestre, quando o banco registou prejuízos de 237,4 milhões de euros.

Questionado sobre se considera que Maria Luís Albuquerque tem condições para continuar a liderar a pasta das Finanças, Ricardo Salgado disse que não está bem a par do assunto dos swap e que dos poucos contactos que teve com a ministra o que percebeu é que é «uma senhora muito inteligente, muito determinada e que sabe o que está a fazer».

«Em relação aos swap não faço ideia. Não quero desenvolver esse capítulo», afirmou.

A ministra das Finanças tem sido acusada pelos partidos da oposição de mentir sobre o chamado processo swap, em investigação numa comissão parlamentar de inquérito, depois de notícias que dão conta de ter tido informações sobre o tema em junho de 2011, quando tomou posse como secretária de Estado do Tesouro e Finanças.

Na quinta-feira, o fonte do gabinete do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse à Lusa que este mantém «toda confiança» na ministra das Finanças.

Isto depois de, em entrevista ao Jornal da Noite, na SIC, Maria Luís Albuquerque ter admitido que recebeu do ex-diretor-geral do Tesouro e Finanças Pedro Felício emails com informação sobre swap, mas que esta era "insuficiente" para conhecer a «total dimensão do problema».

«Tenho memória [da receção dos e-mails]. Continuo a dizer que não menti», afirmou Maria Luís Albuquerque, em entrevista à SIC, no dia em que a Lusa noticiou que Pedro Felício enviou à agora ministra das Finanças, em junho e julho de 2011, emails que já continham informação sobre swap e indicavam uma perda potencial de 1,5 mil milhões de euros.

Na sequência das notícias sobre estes emails, o Bloco de Esquerda considerou que Maria Luís Albuquerque não tem condições para continuar como ministra das Finanças, pois «é falso tudo o que disse» na comissão parlamentar de inquérito aos swap.

Já o PCP pediu uma nova audição, com caráter de urgência, de Maria Luís Albuquerque, na comissão parlamentar de inquérito para esclarecer «novos dados e informações obtidas».

O PS denunciou, por seu lado, que Maria Luís Albuquerque pediu informação no início de maio de 2011, como coordenadora do IGCP, sobre as necessidades de financiamento das empresas públicas até 2014, quando já era cabeça de lista do PSD por Setúbal.