O Banco Central Europeu (BCE) deve deixar inalterada a taxa de juro diretora nos 0,25% pelo quarto mês consecutivo, consideram os economistas contactados pela Lusa.

«Não esperamos nenhuma decisão significativa. O mais provável é que as taxas se mantenham iguais», disse à Lusa o economista do BPI Nuno Coelho.

Também Rui Serra, economista-chefe do Montepio, prevê «a manutenção da taxa de refinanciamento em 0,25% e da taxa de depósitos em 0,0%».

Para os economistas, apesar da incerteza quanto ao futuro da política monetária da área do euro, os últimos dados económicos devem levar o BCE a optar pela manutenção das taxas de juro.

A inflação anual da zona euro de fevereiro ficou em 0,8%, mantendo-se estável face ao mês anterior, contrariando a queda que previam os analistas, enquanto o PIB caiu 0,5% em 2013.

A taxa de juro das principais operações de refinanciamento está fixada em 0,25% e a taxa da facilidade permanente de cedência de liquidez, através da qual empresta dinheiro aos bancos a um dia, em 0,75%. Já a facilidade permanente de depósito, que permite aos bancos fazer depósitos de curto prazo no BCE, está em 0%.

Também hoje o BCE dará a conhecer as suas projeções macroeconómicas de inflação e crescimento.