A EDP Renováveis teve lucros de 56 milhões de euros no terceiro trimestre do ano, menos 45% do que no período homólogo (102 milhões de euros), revelou a empresa em comunicado enviado à Comissão de Mercado e Valores Mobiliários.

 

As receitas totalizaram 930 milhões de euros, menos 42 milhões do que nos primeiros nove meses do ano passado, o que, segundo a empresa, se deve ao menor preço médio de venda na Europa e dos impactos cambiais. O EBITDA desceu 38 milhões, fixando-se em 648 milhões de euros.

 

A EDPR geria, em setembro, um carteira global de 8,6 GW repartidos por 10 países, dos quais 7,8 GW consolidados integralmente e 841 MW consolidados pelo método de equivalência patrimonial (487 MW através do consórcio Eólicas de Portugal, e 353 MW relativos a participações em Espanha e nos EUA).

 

Nos últimos 12 meses a EDPR adicionou 373 MW à sua capacidade instalada.

 

A empresa produziu 14,4 TWh de energia limpa, um crescimento de 5% face ao período homólogo, no seguimento do aumento da capacidade no período (+0,4 TWh) e do recurso eólico estável (+0,2 TWh), com um fator de utilização de 29%.

 

O preço médio de venda no período foi 8% inferior, alcançando os €59/MWh. O impacto positivo do aumento do preço médio de venda na América do Norte (+4% vs. 9M13) e no Brasil (+11% vs. 9M13) não foi, no entanto, suficiente para compensar o menor preço médio de venda na Europa (‐13% vs. 9M13), devido principalmente às alterações regulatórias em Espanha.