O lucro da Espírito Santo Saúde (ESS) subiu 98,7% no primeiro trimestre deste ano, face a igual período do ano passado, para 4,6 milhões de euros, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa adianta que os rendimentos operacionais avançaram 8,7% para 101,6 milhões de euros, «impulsionados principalmente pelo crescimento da atividade do segmento de cuidados de saúde privados (+6,7%) e do Hospital Beatriz Ângelo no segmento de cuidados de saúde públicos (+13,9%)».

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e

depreciações (EBITDA) subiu 15,1% para 15,4 milhões de euros, com a Espírito Santo Saúde a destacar «dois fatores» para o desempenho positivo.

Um dos fatores foi a «melhoria da margem EBITDA no segmento de cuidados de saúde privados, com um aumento de 0,7 pontos percentuais face à margem do EBITDA do primeiro trimestre», o outro aspeto deveu-se ao «turnaround do Hospital Beatriz Ângelo (PPP), que evoluiu de um EBITDA negativo de 0,1 milhões de euros no primeiro trimestre de 2013 para um EBITDA positivo de 0,6 milhões de euros» nos primeiros três meses do ano.

Em relação às perspetivas deste ano, a ESS «acredita que o

setor público continuará sob pressão significativa a nível do financiamento disponível, que na ausência de reformas estruturais do setor, terá implicações sobre os níveis de acesso, grau de modernização dos hospitais públicos e motivação dos colaboradores».

No privado, «é expectável que a consolidação do mercado continue, beneficiando grupos de maior dimensão», adianta.

«Nos restantes meses de 2014, a ESS irá manter o enfoque em alavancar a elevada procura pelos seus serviços no segmento privado de cuidados de saúde, com o objetivo de melhorar a utilização da capacidade instalada, o grupo continuará a desenvolver os projetos de expansão do Hospital da Luz, Hospital da Arrábida e Hospital da Luz Clínica de Oeiras".

Nos cuidados de saúde públicos, «o grupo estará focado na manutenção dos níveis elevados de crescimento da atividade (expectativa de aumento de 8% a 10%, com bases na produção contratada e no desempenho até à data) e na implementação de iniciativas de aumento de eficiência, a fim de continuar a melhorar os níveis de rentabilidade do Hospital Beatriz Ângelo», adianta.

Em setembro deste ano, o grupo vai abrir uma nova área residencial de internamento dedicado a doentes com demência, e em relação ao novo hospital privado de Luanda, «continuará a desenvolver as atividades de planeamento inicial e desenho, em colaboração com a Teixeira Duarte».