No primeiro trimestre, a EDP pagou 15 milhões de euros para a contribuição extraordinária aplicada ao setor energético em Portugal, criada no âmbito do Orçamento do Estado (OE) para 2014.

O lucro da empresa caiu 12% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao período homólogo, para 296 milhões de euros, anunciou hoje a elétrica liderada por António Mexia.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP explicou esta queda do resultado líquido atribuível aos acionistas com o ganho não recorrente de 56 milhões de euros no trimestre homólogo, com a venda de ativos de transporte de gás em Espanha.

Até março, o EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) do grupo decresceu 5% para 1.030 milhões de euros, mas a empresa esclarece que, excluindo o ganho não recorrente, de 56 milhões de euros, realizado no período homólogo, este indicador teria permanecido estável.

Os custos operacionais do grupo caíram 4%, para 366 milhões de euros no primeiro trimestre, resultado da execução «bem-sucedida do programa de eficiência corporativa OPEX III, cujas metas foram antecipadas de 2015 para 2014, e por um corte de 1% no número de empregados, essencialmente suportado por pré-reformas em Portugal».

De acordo com o comunicado, a EDP tinha menos 60 trabalhadores no final de março face ao mesmo mês do ano anterior, totalizando 12.047 empregados.

Já os outros custos operacionais líquidos aumentaram 47 milhões nos primeiros três meses do ano, para 86 milhões de euros, fruto da referida mais-valia e de menores impostos à geração em Espanha, resultado de menores volumes produzidos e de menores preços.

No mesmo período, o investimento líquido diminuiu 11%, ficando pelos 245 milhões de euros, sendo 162 milhões relativo a investimento em nova capacidade hídrica e eólica, adiantou a empresa.

Já a dívida líquida atingiu os 17,1 mil milhões de euros no final de março, em linha com o valor de dezembro de 2013.

Os títulos da EDP fecharam hoje a perder 0,94% para 3,49 euros, um dia depois da assembleia geral de acionistas, que aprovou a distribuição de um dividendo de 0,185 por ação.