A EDP pretende investir em média 1,4 mil milhões de euros por ano até 2020, ou seja, cerca de sete mil milhões em cinco anos, com foco no investimento nas renováveis e no mercado dos EUA. É o que indica o plano de negócios da elétrica para 2016-2020, divulgado esta quinta-feira, um dia depois de ter anunciado que aumentou os lucros em 22% de 362 milhões de euros entre janeiro e março deste ano, superando todas as estimativas.

“A melhoria nos resultados deveu-se em grande parte à venda de ativos em Espanha, no valor de 78 milhões de euros, e com um ganho de 61 milhões de euros com a venda da central mini-hídrica de Pantanal no Brasil"

A explicação foi feita de viva voz pelo presidente da empresa, António Mexia, em Londres, durante uma apresentação aos analistas e investidores, onde abordou os resultados trimestrais e lançou a ponte para o futuro, mostrando-se tranquilo com os números que apresentou.

Assim, as novas metas da EDP - que na prática simbolizam um aumento anual de 4% nos lucros - estão suportadas no crescimento da energia eólica e na "leve" recuperação do mercado. 

Ainda assim, o investimento previsto para os próximos anos representa uma redução de 12,5% face aos 1,6 mil milhões investidos pelo grupo liderado por António Mexia em 2014 e 2015.

Do investimento total a realizar, 84% será aplicado em atividades reguladas e contratos de longo termo e apenas 16% em atividades em regime de mercado. Aqui, inclui-se o investimento no reforço de potência hídrica em Portugal.

A EDP Renováveis - que também teve lucros que surpreenderam pela positiva - deverá investir 4.800 milhões de euros até 2020, com adições de capacidade de 0,7 Gigawatts por ano, mantendo os EUA e a geração éolica como estratégia central de crescimento. Do total, 65% da nova capacidade será nos EUA, 15% na Europa e 10% no Brasil.

O desempenho da EDP em bolsa está a ser beneficiado tanto pelos resultados como pelos novos objetivos anunciados e, igualmente, com a perspetiva de um dividendo mínimo de 0,19 euros por ação até 2020, a previsão anunciada pela EDP. Ou seja, os acionistas poderão esperar receber pelo menos esse valor já a partir deste ano, mais 3% do que os 18,5 cêntimos que a empresa vai pagar relativos ao exercício de 2015.

Pelas 11:00, os títulos disparavam mais de 5% para 3,329 euros no PSI20.