Os prejuízos do BCP em 2014 foram de quase 218 milhões de euros, de acordo com os resultados apresentados pelo banco esta segunda-feira. O valor representa  uma melhoria face ao resultado líquido negativo de 740,5 milhões de euros em 2013.

O presidente do banco, Nuno Amado, destacou que o banco encerrou 79 sucursais para um total de 695 balcões e baixou o número de colaboradores em 816 funcionários para 7.768 trabalhadores durante o ano passado.

«Estamos a reduzir a nossa base de custos de forma a adaptarmo-nos à realidade do negócio bancário, que mudou nos últimos anos», realçou o gestor.

O objetivo traçado no plano estratégico do BCP para o final de 2017, ao nível do quadro de pessoal, é atingir os 7.500 trabalhadores, algo que está próximo de ser alcançado, sublinhou Nuno Amado.

As saídas de funcionários aconteceram através de rescisões voluntárias, acordos de mútuo acordo e reformas antecipadas, num «processo difícil», mas que contou com um papel importante dos sindicatos, apontou Nuno Amado.

Já a meta relativa ao número de agências no mercado português, definida com as autoridades nacionais e com a Direção Geral da Concorrência da Comissão Europeia, no âmbito do apoio estatal de que beneficiou o banco, fixada nos 700 balcões, já foi ultrapassada com uma antecipação de três anos.