O prejuízo da empresa Metro do Porto agravou-se em 2014 para os 400 milhões de euros face aos 47,6 milhões registados em 2013, num ano em que alcançou novo recorde de clientes transportados, atingindo as 56,7 milhões de validações.

As contas de 2014 da Metro do Porto foram aprovadas esta terça-feira em assembleia-geral, com o voto contra do acionista Câmara de Matosinhos e as abstenções de outras autarquias acionistas da Área Metropolitana do Porto (Porto, Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Gondomar e Vila Nova de Gaia) e da própria Área Metropolitana do Porto.

Na ordem dos trabalhos constava a eleição de novos órgãos sociais, bem como a aprovação do Plano de Atividades e Orçamento para 2015. Contudo, estes pontos foram retirados da agenda porque o representante do acionista Estado entendeu “não considerar oportuno” serem tratados agora, disse aos jornalistas o presidente da mesa da Assembleia Geral, Valentim Loureiro.

O representante do Estado “não deu mais explicações”, concluiu Valentim Loureiro, que aguardará que o acionista maioritário - Estado - e os restantes acionistas -autarquias e AMP - desejem realizar nova reunião magna para abordar "quaisquer pontos que queiram tratar ou ver tratados”, cita a Lusa.

Em 2014, a Metro do Porto obteve “um resultado líquido negativo de 400,6 milhões de euros, fortemente agravado relativamente a 2013, resultado do efeito positivo nas contas de 2013 da liquidação de 11 operações de derivados de taxa de juro e do agravamento de 111,9 milhões de euros da Atualização Financeira das Provisões”, justifica o presidente da empresa, João Velez Carvalho, na mensagem que deixa no relatório.

De acordo com o documento aprovado, o número global de clientes, as receitas e a taxa de cobertura dos custos atingiram os seus valores mais elevados desde o início da operação do metro, há 12 anos.

“Da gestão corrente da Metro evidencia-se em 2014 o número de 56,7 milhões de validações, um novo recorde anual, 1,8% acima do anterior registado em 2013, uma receita de 39,7 milhões de euros, 2,1% acima da do ano anterior, custos operacionais de 43,7 milhões de euros, mais 0,2% que os do ano anterior, passando a taxa de cobertura dos custos operacionais pelas receitas de 89,2% em 2013 para 90,8% no ano”, refere Velez Carvalho no relatório.

O responsável destaca ainda que, em 2014, a empresa obteve um EBITDA [resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações] de 700 mil euros, um resultado operacional negativo de 85,1 milhões de euros, sensivelmente igual ao registado no ano anterior (-85,4 milhões de euros).

“Os resultados líquidos da empresa continuam, assim, a evidenciar a ausência de contrapartidas pela utilização do investimento realizado, a necessidade de criação de provisões para reposição dos equipamentos cuja vida útil seja inferior ao período de concessão, a entrega a custo zero e em normais condições de uso de todo o aparelho produtivo no final desta, o financiamento do investimento com cerca de 76% de capital alheio e os efeitos dos contratos de derivados financeiros celebrados em anos anteriores”, acrescenta o responsável.

Para Velez Carvalho, embora se tenham obtido melhorias quanto à sustentabilidade da empresa, a sua reestruturação e fusão com a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP, nomeadamente no aspeto do rendimento do efetivo, continuaram a ser temporariamente prejudicados pela incerteza quanto ao modelo de organização da mobilidade na Área Metropolitana do Porto.