O Fundo Monetário Internacional (FMI) desbloqueou esta segunda-feira um empréstimo de 84,7 milhões de euros ao Chipre, após a primeira auditoria às contas do país que se encontra ao abrigo de um programa de resgate financeiro.

Chipre recebeu até agora 169,4 milhões de euros no âmbito do empréstimo aprovado a 15 de maio e que envolve um total de 10 mil milhões de euros, financiados parcialmente pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade, um fundo de emergência financeira.

O país mergulhou em crise em 2012, sofrendo os efeitos do contágio grego que levou à falência os seus principais bancos, forçando os depositantes a aceitar reduzir o valor das suas contas bancárias.

Para obter o empréstimo, o Governo cipriota teve de nacionalizar os maiores bancos, aceitar cortes na despesa e vender património do Estado.

No final de julho, o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia disseram que o programa de reformas estava bem encaminhado, embora a perspetiva económica a curto prazo não seja favorável, esperando-se uma contração de 13% no PIB em 2013-2014.